Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

douglas-loc-2017
No comando: Bom Dia Sucesso

Das 08:00 as 11:00

whatsapp-image-2019-07-22-at-15-02-09
No comando: ROTA 88

Das 13:00 as 15:30

whatsapp-image-2019-07-22-at-15-02-10
No comando: Tarde da 88

Das 15:30 as 18:00

Incêndios na Amazônia podem ser vistos do espaço

Compartilhe:
nasa

Satélite registrou concentração de fumaça na região Norte se espalhando pela América do Sul

 Imagens captadas pela Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa) mostram que é possível ver do espaço a fumaça causada pelo aumento no número de focos de incêndio na Amazônia. O satélite Suomi ainda registrou que a fumaça se espalhou por vários estados e atinge países vizinhos do Brasil, como a Bolívia.

Por meio de sua rede social, a Nasa diz que, apesar de ser uma temporada de incêndios no Brasil, o número de queimadas é recorde e cita os dados do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe). “No Brasil, quase 73 mil incêndios foram registrados até agora este ano. O Inpe está vendo um aumento de 83% em relação ao mesmo período de 2018″, publicaram.

De acordo com dados do Programa Queimadas, do Inpe, a Amazônia concentra 52,5% dos focos de queimadas de 2019. O Cerrado aparece em segundo lugar, com 30,1% dos focos de incêndio, seguido pela Mata Atlântica, com 10,9%.  Apesar da seca, há mais umidade na região amazônica hoje do que havia nos últimos três anos, conforme estudo do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam).

Organizações não-governamentais de todo o país dedicadas à proteção ambiental protocolaram, na última terça-feira (20), uma representação junto à Procuradoria Geral da União e Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, com o objetivo de investigar a improbidade administrativa praticada pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (Novo-SP), sobre a falta de ações para combater os incêndios.

De acordo com nota técnica elaborada pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), o aumento no número de queimadas na região amazônica tem relação com a prática de “limpar” áreas recém-desmatadas e outros tipos de terreno. O estudo aponta que o desmatamento é o provável fator responsável por este cenário, e não a estiagem, como defendeu Ricardo Salles, em seu perfil no Twitter.

A onda de incêndios sem precedentes é o segundo passo da conversão da floresta em pastagem. O primeiro é a derrubada das árvores
   
VALTER CAMPANATO/ABR

 O processo de devastação da Amazônia, agravado com a onda de incêndios sem precedentes na história, não é responsabilidade da baixa umidade do ar, como entende o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles (Novo-SP). Apesar da seca, há mais umidade na região amazônica hoje do que havia nos últimos três anos, conforme estudoda Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam). E nem de ONGs ambientalistas ou de governadores da região Norte, como disse hoje (21) Jair Bolsonaro (PSL). Mas da ação de ruralistas que avançam seus domínios sobre a floresta, com o objetivo claro de transformá-la em pasto e assim fazer negócios lucrativos.

“Queimadas são a segunda ferramenta usada na destruição da floresta. Primeiro se retira o filé, que é a madeira. Quando seca o que sobrou, põe fogo. Nessa terra degradada é colocado o capim para se ter o pasto. É o processo de transição da floresta para pasto”, disse um fiscal de órgão ligado à pasta do Meio Ambiente que pediu para não ter a identidade revelada por temer represálias.

Fazendo referência ao dia “Dia do Fogo” conclamado por ruralistas mais comprometidos com a especulação imobiliária do que com a produção agrícola, o servidor acredita que o setor poderia abrigar ou financiar entidades que, acredita, seriam as verdadeiras ONGs por trás dos incêndios.

“Não é mais o Ibama que autoriza as queimadas, mas os estados. E nesse período crítico como agora, agosto, setembro, são proibidas em vários deles. Nesse período a legislação local não autoriza queima nenhuma. As queimas que acontecem, de um modo geral, são irregulares, aproveitando-se da época em que a seca está mais intensa”, afirmou.

Incêndios em áreas privadas ou em disputa judicial são combatidos pelo Corpo de Bombeiros dos estados. Em unidades de conservação, terras indígenas, territórios quilombolas e áreas de assentamento do Incra são responsabilidade do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo), vinculado ao Ibama. Há casos em que os dois serviços atuam em conjunto.

Custeado em grande parte com recursos do Fundo Amazônia, o PrevFogo deverá enfrentar dificuldades com mudanças no caixa, principalmente depois que Noruega e Alemanha anunciaram bloqueios em seus repasses. O Fundo financia também projetos dos bombeiros de alguns estados, como de Mato Grosso, estado dos mais afetados pelas queimadas.

A situação é grave. Duas pessoas morreram em Rondônia no último dia 14, tragadas pelas chamas. Há animais mortos por toda parte, mata destruída e fumaça que se espalha por milhares de quilômetros, atravessando estados, levando doenças respiratórias. Em vez de transferir recursos urgentes para o combate às chamas e à prevenção de novos incêndios, com mais fiscalização às derrubadas, Bolsonaro põe a culpa na conta de siglas que ele nem sabe quais são.

Fonte:G1

Deixe seu comentário: